sexta-feira, 7 de março de 2008

8 de março

Para
Amélia, Beatriz, Cleide, Dora, Eunice, Flora, Gabriela, Helena, Isabel, Julia, Laura, Maria, Nair, Odete, Paula, Quirá, Rosa, Silvana, Teresa, Úrsula, Vera, Xênia, Zenaide, Ana, Berenice, Carmem, Doralice, Eurídice, Filomena, Gertrudes, Hortência, Isaura, Jurema, Lúcia, Monalisa, Nana, Olga, Priscila, Quitéria, Rute, Sonia, Teolinda, Uma, Vilma, Xena, Zilda, Aparecida, Bárbara, Clarice, Dulcinéia, Elisabete, Fabíola, Gilda, Heliodora, Inês, Juliana, Laurinda, Mafalda, Nélia, Otília, Pina, Quimera, Rosália, Serena, Talita, Urana, Xerazade, Zilá, Ágata, Benedita, Conceição, Diana, Eloá, Fábia, Generosa, Haidê, Iemanjá, Jaqueline, Lara, Manoela, Naomi, Ofélia, Pilar, Quirina, Rosely, Sandra, Teodora, Ulima, Valentina, Xuxa, Zoraide, Angélica, Brigite, Clara, Darlene, Efigênia, Felícia, Giselda, Helga, Ivete, Josefina, Leila, Madalena, Neusa, Olinda, Penha, Quaraciama, Rufina, Shirlei, Tarsila, Ubirajara, Vânia, Xantipa, Zélia, Alice, Branca, Cecília, Désirée, Elsa, Fátima, Gerusa, Hebe, Iracema, Jasmim, Léa, Moema, Nora, Odemira, Penélope, Renata, Sebastiana, Tais, Ula, Vanusa, Ximena, Zelda, Adalgisa, Bernadete, Cibele, Djanira, Eva, Fernanda, Gioconda, Henriqueta, Imaculada, Joana, Leocádia, Marlise, Nádia, Olímpia, Plácida, Quaraci, Rafaela, Susana, Valéria, Xavantina, Zulmira, Alexandra, Bibiana, Cássia, Dinorá, Emília, Florípedes, Getúlia, Irma, Janete, Lurdes, Margot, Nara, Olívia, Potira, Ondina, Patrícia, Quaresma, Roberta, Salomé, Telma, Ulpiana, Xaviera, Zelinda, Abigail, Bernarda, Cinira, Diva, Edwiges, Francisca, Gina, Herondina, Leda, Morgana, Neide, Otacila, Porcina, Quelidônia, Rebeca, Túlia, Ubiracema, Vanessa, Xante, Zuleica e a todas as mulheres com outros nomes, e nomes em outras línguas que eu não sei nomear.

E especialmente, para as 900 mulheres da Via Campesina que esta semana promoveram um ato de protesto contra a monocultura do eucalipto e em defesa da soberania alimentar da população brasileira.

- Feliz 8 de março.


























































































































































































































































Para não esquecer
No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos de Nova Iorque fizeram uma greve. Ocuparam a fábrica. Reivindicavam a redução da jornada de trabalho para dez horas (o exigido eram 16 horas de trabalho diário), equiparação salarial (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho. A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, nesse ato absurdamente desumano.

3 comentários:

Anônimo disse...

Rose,
Seu blog tá uma lindeza!!!
E, me desculpe, mas não é caso para "Parabéns!"... É caso para "Muito Obrigada!"!!!
Então:
MUITO OBRIGADA!! Gratíssima por me (nos) proporcionar tanta beleza...
Beijo!
Vera
Campinas/SP

dexter40 disse...

Ro, essas mulheres maravilhosas que você captou por toda a cidade com tanta competência e delicadeza ajudam a fazer a vida da gente mais gostosa de ser vivida nessa caótica cidade de São Paulo. Amei a homenagem.

Carmem Silvia disse...

Que lindo, Rose!
Parabéns por TUDO!