quarta-feira, 29 de abril de 2009

hacia la patchamama




la oscura materia

animada por tu mano

soy yo

O stencil grafite está em Cusco e o poema é da peruana Blanca Varela.















quinta-feira, 23 de abril de 2009

Salve Jorge




Eu andarei vestido e armado, com as armas de São Jorge.
Para que meus inimigos tendo pés não me alcancem,
tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam,
nem pensamentos eles possam ter para me fazerem mal.
Armas de fogo o meu corpo não alcançarão,
facas e lanças se quebrem sem ao meu corpo chegar,
cordas e correntes se quebrem sem ao meu corpo, amarrar.
São Jorge, cavaleiro corajoso, intrépido e vencedor,
abre os meus caminhos.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

para um poema de jorge garcía sabal


Habla de aquello que no hizo,

lo que estuvo al alcance de la mano

y no pudo tocar.

Es confuso ese parloteo que sólo él entiende,

es áspero cuando dice "eso sí valía la pena".

Habla de aquello que no hizo,

como esas tortugas al revés,

expuestas al sol, la panza blanca,

las uñas arañando el aire.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

para um poema de alejandra pizarnik


ella se desnuda en el paraíso
de su memoria
ella desconece el feroz destino
de sus visiones
ella tiene miedo de no saber nombrar
lo que no existe

domingo, 5 de abril de 2009

para outro poema de bruno zeni

Não sei se há remédio para esses dias em que tudo escapa. Dias assim, o peito é como um buraco negro que tudo atrai, com força descomunal. Um peito que dói, quente e pulsante. A garganta obstruída de expectativa frustada. Não sei se há remendo, conserto, ajuste - se há o que dê jeito. Se. Não são dias de choro ou desespero, antes fossem. São de tensionamento e ansiedade. Experiência fendida - eu a vejo em sua conformoção de fiapos de osso de fratura exposta.

sábado, 4 de abril de 2009

para um poema de chacal


o tempo em que Marx explicava
que tudo era luta de classes
como era simples
o tempo em que Freud explicava
que édipo tudo explicava
tudo clarinho limpinho explicadinho
tudo muito mais asséptico
do que era quando nasci
hoje rodado sambado pirado
descobri que é preciso aprender
a nascer todo dia

quinta-feira, 2 de abril de 2009

para um poema de lindolf bell (2)


Amor mais perfeito
não é feito do fácil.
floresce por dentro
embora se pretenda
que cesse.
E quando nas águas da pressa
foge o amor mais
depressa,
é tempo de saber
quanto dura
o tempo de não saber.